terça-feira, 9 de maio de 2017

"O Conto da Aia", de Margaret Atwood

"The Handmaid's Tale" (no Brasil "O Conto da Aia", pela editora Rocco) é uma ficção distópica escrita pela canadense Margaret Atwood no ano de 1985. A trama virou série, cuja primeira temporada conta com 10 episódios e que está renovada para a segunda temporada, transmitida pelo serviço de streaming Hulu. A história é interessantíssima, se passa futuro imaginário, onde os Estados Unidos não se chamam mais Estados Unidos, o país tornou-se a República de Gilead, que é governada por um regime totalitário e teocrático que vive uma guerra civil. O país é organizado de modo que as mulheres são propriedade do Estado, não têm direitos individuais e são divididas em castas – mulheres férteis (as mais raras) pertencem ao grupo das aias e têm apenas uma função: procriar para famílias de homens poderosos e suas esposas estéreis. O processo no qual as aias são estupradas pelos comandantes é chamado de “cerimônia”. Para quem gosta de ficção política, ficção científica, distopias sociais como 1984 e A Revolução dos Bichos (de George Orwell), Fahrenheit 451 (de Ray Bradubury) ou Admirável Mundo Novo (de Aldous Leonard Huxley), indico muito a leitura de O Conto da Aia, pois esta obra tem um pouco de tudo que tem naquelas outras, o debate sobre o totalitarismo, sobre liberdade e direitos civis e sociais, só que com uma pitada de algo que faz oportuno debater as questões de gênero.

Imagem: A Handmaid's Tale by Francisco Martinez.
SINOPSEA história de 'O conto da aia' passa-se num futuro muito próximo e tem como cenário uma república onde não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes – tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado – há as esposas, as marthas, as salvadoras etc. À pobre Offred coube a categoria de aia, o que significa pertencer ao governo e existir unicamente para procriar. Offred tem 33 anos. Antes, quando seu país ainda se chamava Estados Unidos, ela era casada e tinha uma filha. Mas o novo regime declarou adúlteros todos os segundos casamentos, assim como as uniões realizadas fora da religião oficial do Estado. Era o caso de Offred. Por isso, sua filha lhe foi tomada e doada para adoção, e ela foi tornada aia, sem nunca mais ter notícias de sua família. É uma realidade terrível, mas o ser humano é capaz de se adaptar a tudo. Com esta história, Margaret Atwood leva o leitor a refletir sobre liberdade, direitos civis, poder, a fragilidade do mundo tal qual o conhecemos, o futuro e, principalmente, o presente.

O título parece estar esgotado no Brasil, mas ainda é possível encontrá-lo nos sebos.

ACHEI PARA BAIXAR AQUI: O CONTO DA AIA EM PDF



Título: O Conto da Aia;
Autora: Margaret Atwood;
Editora: Rocco;
Págs.: 366;
Preço: R$ 48,00.






Atualização em 27/05/2017: A Editora Rocco anunciou que irá relançar o livro, revisado e com capa nova, estará disponível nas livrarias a partir de 07 de junho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário